How about we skip the small talk?
Your responses are anonymous and not associated with your Grindr account
Choose as many as you like
Choose as many as you like
Finding others who fit your search, hang tight...
Oops! Something went wrong while submitting the form

O Que Rola? Tudo Sobre a História do Mês do Orgulho LGBTQIA+

Qual é o Mês do Orgulho LGBTQ? E os fatos históricos do Mês do Orgulho? Cobrimos tudo isso e muito mais aqui.
Grindr
&
Editorial team
July 22, 2024
8
min. read
Table of Contents

Todo mês de junho, milhões de pessoas LGBTQIA+ e aliados marcham pelas cidades do mundo para celebrar o Mês do Orgulho. É o momento de nos unirmos e dizer: "Estamos aqui, somos queer, e você já devia estar acostumado com isso!"

Mas quando se trata da história do Mês do Orgulho, você sabe todos os detalhes sobre o que aconteceu em Stonewall e por que celebramos o Orgulho em junho, ou você só vai improvisando? Se você é do segundo tipo, não se preocupe, estamos aqui para ajudar você.

Primeiro o mais importante: As festividades de junho são incríveis, mas dois meses dedicados ao reconhecimento e celebração da comunidade LGBTQIA+. (O que podemos dizer? Adoramos um pouco de atenção.)

Junho é o Mês do Orgulho e comemora os motins de Stonewall na Christopher Street (mais sobre isso em um segundo). 

Outubro é oficialmente o Mês da História LGBT. É quando homenageamos a Marcha de 1979 em Washington pelos Direitos dos Gays, um dos maiores protestos da história dos EUA. Também celebramos o Dia Interacional de Sair do Armário, em 11 de outubro, homenageando a coragem necessária para abraçar total e abertamente quem você é.

Por agora, vamos focar no Mês do Orgulho, mas lembre-se de que há mais de um mês no ano para "oficialmente" celebrar o orgulho LGBTQIA+. E aproveitando, incentivamos você a brilhar seu orgulho todos os dias do ano. Nossos direitos dependem disso!

Por que o Mês do Orgulho é importante?

Além das festas e desfiles, é crucial conhecer nossa história e as origens do movimento pelos direitos gays, isso é fundamental para garantir que nunca retrocedamos. Conhecimento é poder. Então, vamos começar a aula de história do Mês do Orgulho:

1969: Os motins de Stonewall

Antes de se tornar um monumento nacional, o Stonewall Inn era apenas mais um barzinho despretensioso no Greenwich Village de Nova York. Mais importante, era um lugar onde pessoas LGBTQ podiam escapar do mundo exterior e ser elas mesmas. Numa época em que a homossexualidade ainda era um crime, bares gays "incógnitos" como o Stonewall serviam como um espaço seguro para pessoas queer relaxarem e se conectarem.

Em 28 de junho de 1969, a polícia invadiu o Stonewall Inn. Não foi a primeira vez; essas ações eram uma tática regular impulsionada por leis discriminatórias que criminalizavam o comportamento homossexual e a não conformidade de gênero na época. No entanto, naquela noite, os frequentadores do Stonewall se cansaram. Em vez de se submeterem, decidiram que era hora de lutar.

Os motins de Stonewall duraram seis dias e se tornaram um ponto crucial na luta pela igualdade LGBTQ nos EUA e além. 

Embora não tenha sido a primeira vez que pessoas queer e trans enfrentaram a brutalidade policial, os motins de Stonewall marcaram uma nova era, inspirando a criação de grupos como a Gay Liberation Front e a Gay Activists Alliance. 

A primeira marcha do Orgulho, a Christopher Street Liberation Day March, aconteceu no ano seguinte. Aproximadamente 2.000 pessoas participaram dessa primeira marcha, e eventos subsequentes em Los Angeles, Chicago, São Francisco e outros lugares em Nova York eventualmente levaram a centenas de marchas do Orgulho em todo o mundo.

2000: Mês do Orgulho Gay e Lésbico

Como muitos de nós celebramos o Mês do Orgulho desde que nos assumimos, é fácil pensar que o Orgulho existe desde Stonewall, mas não é bem assim. Embora os gays tenham dado algumas das melhores festas e desfiles desde sempre, o Mês do Orgulho só foi oficialmente reconhecido no ano 2000.

Em junho de 2000, o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton declarou junho como o Mês do Orgulho Gay e Lésbico em reconhecimento aos motins de Stonewall e à longa luta pela igualdade que se seguiu. 

Embora ainda exista um longo caminho na luta pela igualdade LGBTQIA+, esse passo monumental desencadeou celebrações anuais do Mês do Orgulho em todo o mundo. Hoje, algumas das maiores celebrações fora dos EUA acontecem em São Paulo, Brasil, com aproximadamente 3 milhões de participantes, e em Madrid, Espanha, com cerca de 2 milhões de participantes.

2009: Mês do Orgulho LGBT

Com o passar dos anos, continuamos a crescer, aprender e conquistar mais como comunidade. Nossa linguagem mudou e evoluiu, e nos tornamos melhores em celebrar todos os membros da família LGBTQIA+. 

Em 2009, o ex-presidente dos EUA, Barack Obama renomeou o Mês do Orgulho Gay e Lésbico para Mês do Orgulho de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros, garantindo que todos soubessem que tinham um lugar na mesa. E com razão, já que muitas das primeiras a lutar em Stonewall foram mulheres trans negras.

{{video-inline-cta}}

Quem estava em stonewall?

Agora que você sabe o que, onde, quando, por que e como do Orgulho, vamos falar sobre quem, especificamente, os heróis que lutaram em Stonewall, nos levando ao Mês do Orgulho como conhecemos hoje.

Marsha P. Johnson

Se o Orgulho tivesse uma mãe, seria indiscutivelmente Marsha P. Johnson, uma mulher trans negra creditada por jogar o primeiro tijolo em Stonewall. Com apenas 25 anos, ela provou que nunca é cedo demais para se levantar e fazer a diferença. 

Marsha foi, é e sempre será, um pilar monumental da comunidade, e sua defesa incansável e espírito inabalável são fundamentais para o Orgulho que conhecemos e amamos hoje.

Sylvia Rivera

Junto com a amiga da vida inteira Marsha P. Johnson, Sylvia Rivera fundou a STAR (Street Transvestite Action Revolutionaries), uma organização dedicada a encontrar moradia para jovens LGBTQ que viviam nas ruas. 

Rivera tinha apenas 17 anos na noite da revolta de Stonewall, mas apesar de ser menor de idade, ela se recusou a fugir, declarando: "Não vou perder um minuto disso — é a revolução!"

Stormé DeLarverie

Se Marsha P. Johnson é creditada por jogar o primeiro tijolo em Stonewall, Stormé DeLarverie supostamente teve a honra de dar o primeiro soco. "Dizem que ela fez, e ela disse que fez," disse a amiga Lisa Cannistraci em uma entrevista de 2014 ao New York Times. 

Conhecida como a autoproclamada "guardiã das lésbicas no Village," DeLarverie foi, junto com Johnson, uma das primeiras instigadoras da revolta de Stonewall.

Símbolos do Orgulho

Humanos usam símbolos há milênios para fortalecer nosso senso de identidade e aprofundar nossas conexões culturais. No antigo Egito, o ankh simbolizava a vida, enquanto na Grécia antiga, o ramo de oliveira representava a paz. Para a comunidade LGBTQIA+, dois símbolos proeminentes são a bandeira do arco-íris, desenhada por Gilbert Baker em 1978, e o triângulo rosa, recuperado de sua história sombria durante a Segunda Guerra Mundial. Vamos dar uma olhada mais de perto:

O triângulo rosa

Primeiramente usado pelos nazistas para denotar prisioneiros gays em campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial, o triângulo rosa invertido foi posteriormente recuperado pelos movimentos de libertação gay na década de 1970 como um símbolo de orgulho e lembrança para pessoas queer no mundo inteiro. 

Desde 2001, um triângulo rosa de 1 acre é erguido no topo de uma colina com vista para o Castro District de São Francisco todo mês de junho para comemorar o Mês do Orgulho.

A bandeira do arco-íris

Talvez o símbolo mais onipresente e universal da comunidade LGBTQIA+, a bandeira do arco-íris fez sua estreia em 1978 na Parada do Dia da Liberdade Gay de São Francisco. Desenhada pelo artista de São Francisco Gilbert Baker, o design original apresentava oito listras, cada uma representando um significado diferente:

  • Rosa: Sexo
  • Vermelho: Vida
  • Laranja: Cura
  • Amarelo: Luz do sol
  • Verde: Natureza
  • Turquesa: Magia e arte
  • Índigo: Serenidade
  • Violeta: Espírito

Em 2018, o artista não-binário Daniel Quasar criou a Bandeira Progressista do Orgulho, que incorpora elementos da bandeira trans junto com listras pretas e marrons para destacar a discriminação enfrentada por pessoas queer de cor e para honrar aqueles que vivem e viveram com HIV/AIDS.

Exiba seu orgulho com o Grindr

Desde o primeiro tijolo atirado em Stonewall até a mais recente revelação da peruca de sua drag queen local favorita, o Mês do Orgulho sempre foi tanto um protesto quanto uma festa. É um momento para comemorarmos, amarmos uns aos outros e espalharmos um pouco de glitter (biodegradável) no ar. Mais importante ainda, é uma homenagem àqueles que lutaram para que estivéssemos onde estamos hoje e uma chance de continuar a luta por nós mesmos e por aqueles que virão depois de nós. 

Embora o Mês do Orgulho seja oficialmente comemorado em junho, seu espírito pode,e de fato vive, o ano todo. Com mais de 10 milhões de membros ativos mensalmente, você encontrará muitas comunidades com as quais se conectar no Grindr. Baixe o aplicativo Grindr e manifeste seu orgulho todos os dias!

Share this article

Find & Meet Yours

Get 0 feet away from the queer world around you.
Thank you! Your phone number has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
We’ll text you a link to download the app for free.
Table of Contents
Share this article
“A great way to meet up and make new friends.”
- Google Play Store review
Thank you! Your phone number has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
We’ll text you a link to download the app for free.
“A great way to meet up and make new friends.”
- Google Play Store review
Discover, navigate, and get zero feet away from the queer world around you.
Already have an account? Login

Browse bigger, chat faster.

Find friends, dates, hookups, and more

Featured articles

Related articles

Find & Meet Yours

4.6 · 259.4k Raiting